11 agosto 2009

13.406

"13.406 profissionais com nível superior precisarão ser qualificados entre 2010 e 2013 para atuar no setor de Petróleo e Gás, para atender à demanda de construção de refinarias, plataformas e dutos."

A notícia acima foi publicada na revista Você S/A do mês de julho-09 chamando a atenção para uma deficiência da indústria do petróleo. Há uma carência enorme de mão-de-obra qualificada neste setor e esta realidade mundial ocasiona uma busca acirrada por trabalhadores especializados e a hiper-valorização da experiência profissional.

O Jornal Valor Econômico publicou um artigo de John Miller, originalmente do The Wall Street Journal, onde se faz um raio-X deste segmento de mercado de trabalho que, enquanto a crise econômica mundial varria o globo com demissões, este segmento continuava recrutando trabalhadores agressivamente tentando atraí-los com altos salários, bônus e programas de treinamento no emprego. As petrolíferas multinacionais lutam com a falta de mão-de-obra especializada para suas plataformas marítimas, uma carência que só deve piorar.

As empresas pretendem construir 180 novas plataformas marítimas nos poximos 03 anos, somando-se às 640 já existentes abrangendo da costa brasileira e o Golfo do México, até os litorais do Mar Cáspio (veja o slideshow abaixo).

Os projetos de desenvolvimneto petrolíferos "levam, em média 10 anos para se completar, e operam por mais de trinta anos", diz Susan Houghton, do departamento de recursos humanos da Chevron Corp. "Em 2008 contratamos cerca de 6 mil novos funcionários, e continuaremos a esse ritmo em 2009", continuou ela.

As petrolíferas estão, em parte, apenas compensando a queda nas contratações do início dos anos 90, devido à baixa nos preços do petróleo. Seguiu-se uma carência de mão-de-obra especializada, levando depois a um esforço generalizado de recrutamento e treinamento e à decisão de conservar os funcionários, mesmo em épocas de queda do preço do barril.



O Brasil não foge à regra e há falta de mão-de-obra especializada em todos os setores, porém os altíssimos salários ocorrem, na maioria das vezes, nas funções de atividade fim - ou seja - aquelas que estão diretamente ligadas à perfuração, extração e produção do petróleo. Não é um dinheiro fácil; o trabalho nas plataformas exige isolamento, longas jornadas de trabalho manual e quaisquer que sejam as condições climáticas; os natais e reveillon são meras datas no calendário e todo dia é segunda-feira.

O anúncio da descolberta das jazidas do pré-sal expôs ainda mais esta carência no Brasil e para tanto a Petrobrás e a norte-americana Baker-Hughes - fornecedora de equipamentos, serviços e softwares para a indústria de petróleo e gás - assinaram um acordo de cooperação voltado para pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para as áreas de poço, reservatórios, elevação e escoamento de petróleo, com foco nos projetos do pré-sal brasileiro. A carteira de projetos definida pelo acordo, segundo a Petrobrás, resultará na implantação até 2010, do Centro de Tecnologias do Rio (RTC), a ser instalado no Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão na Cidade do Rio de Janeiro.

O Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (PROMINP) foi criado em 2005 para organizar a formação de mão-de-obra para o o setor de Petróleo e Gás e conta com a coordenação geral do Ministério de Minas e Energia e a coordenação executiva da Petrobras. O primeiro levantamento da instituição indicou que o país necessitaria de 70 mil profissionais em 118 funções nos cinco anos seguintes, visto que havia necessidade de somar esforços a outras instituições na formação profissional, tais como: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET - http://www.cefet-rj.br) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI - http://www.senai.br)

Uma pesquisa rápida no buscador Educaedu Brasil (http://www.educaedu-brasil.com) com a palavra "petróleo" e ainda no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais (INEP - http://www.educacaosuperior.inep.gov.br) é possível encontrar vários centros de formação e qualificação profissional no Brasil com cursos gratuitos e pagos.

A constante busca por qualificação profissional é a retórica dos palestrantes motivacionais que sempre frizam que a carreira profissional é do individuo e não da empresa e que esta busca deve ser empreendida pela motivação pessoal, seja ela qual for. O palestrante motivacional Waldez Ludwig diz claramente estes pontos numa entrevista no programa "Sem Censura". Veja esta entrevista na íntegra no vídeo abaixo.

Entrevista de Wadez Ludwig no programa "Sem Censura"
video

Fontes consultadas para este texto:
1
.Revista Você S/A - artigo: 13.406;edição 133/09, pág,13,julho-09
2.Jornal Valor Econômico - artigo "Petrolíferas correm o mundo atrás de mão-de-obra para plataformas". edição do dia 12 Novembro 2008.
3.Valor online - artigo:"Petrobras e Baker-Hughes fazem acordo para tecnologia no pré-sal".edição do dia 01 Julho 2009 - http://www.valoronline.com.br/?online/petroleo_e_gas/203/5654516/1
4.PROMINP - http://www.prominp.com.br
5.CEFET - http://www.cefet-rj.br
6.SENAI - http://www.senai.br
7.Portal de Busca Educa Brasil - http://www.educaedu-brasil.com
8.Portal INEP -http://www.inep.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário