03 dezembro 2009

Gerenciamento do Lixo II - Plástico


Plásticos são definidos como materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares - os polímeros - que são formadas por moléculas ainda menores - os monômeros – e a sua produção ocorre através de um processo químico chamado polimerização, que proporciona a união química de monômeros para formar polímeros.

A matéria-prima dos plásticos é o petróleo, pois este é formado por uma complexa mistura de compostos. Estes compostos apresentam diferentes temperaturas de ebulição, deste modo, é possível separá-los através de um processo conhecido como destilação ou craqueamento.


A fração nafta – composto oriundo do petróleo e elemento formador do plástico - é processada nas centrais petroquímicas por uma série de processos químicos originando os momômeros.

O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico e pode ser classificado da seguinte forma:

1. Polietileno tereftalato — PET

  • Produtos: frascos e garrafas para uso alimentício/hospitalar, cosméticos, bandejas para microondas, filmes para áudio e vídeo, fibras têxteis, etc.
  • Benefícios: transparente, inquebrável, impermeável, leve.

2.Polietileno de alta densidade — PEAD

  • Produtos: embalagens para detergentes e óleos automotivos, sacolas de supermercados, garrafeiras, tampas, tambores para tintas, potes, utilidades domésticas, etc.
  • Benefícios: inquebrável, resistente a baixas temperaturas, leve, impermeável, rígido e com resistência química.

3.Policloreto de vinila — PVC

  • Produtos: embalagens para água mineral, óleos comestíveis, maioneses, sucos. Perfis para janelas, tubulações de água e esgotos, mangueiras, embalagens para remédios, brinquedos, bolsas de sangue, material hospitalar, etc.
  • Benefícios: rígido, transparente, impermeável, resistente à temperatura e inquebrável.

4.Polietileno de baixa densidade — PEBD

5.Polietileno linear de baixa densidade — PELBD

  • Produtos: sacolas para supermercados e lojas, filmes para embalar leite e outros alimentos, sacaria industrial, filmes para fraldas descartáveis, bolsa para soro medicinal, sacos de lixo, etc.
  • Benefícios: flexível, leve transparente e impermeável.

6.Polipropileno — PP

  • Produtos: filmes para embalagens e alimentos, embalagens industriais, cordas, tubos para água quente, fios e cabos, frascos, caixas de bebidas, autopeças, fibras para tapetes e utilidades domésticas, potes, fraldas e seringas descartáveis, etc.
  • Benefícios: conserva o aroma, é inquebrável, transparente, brilhante, rígido e resistente a mudanças de temperatura.

7.Poliestireno — PS

  • Produtos: potes para iogurtes, sorvetes, doces, frascos, bandejas de supermercados, geladeiras (parte interna da porta), pratos, tampas, aparelhos de barbear descartáveis, brinquedos, etc.
  • Benefícios: impermeável, inquebrável, rígido, transparente, leve e brilhante.

8.Outros - neste grupo encontram-se, entre outros, os seguintes plásticos: ABS/SAN, EVA e PA.

  • Produtos: solados, autopeças, chinelos, pneus, acessórios esportivos e náuticos, plásticos especiais e de engenharia, CDs, eletrodomésticos, corpos de computadores, etc.
  • Benefícios: flexibilidade, leveza, resistência à abrasão, possibilidade de design diferenciado.

A pesquisa mostra que a indústria da reciclagem de plásticos no Brasil é formada por cerca de 490 empresas recicladoras, 80% delas concentradas na região Sudeste. Juntas, elas faturam cerca de R$ 1,22 bilhão e geram 11.500 empregos diretos. Têm capacidade instalada para reciclar 1,05 milhão de toneladas por ano, consomem 777 mil toneladas e produzem 703 mil toneladas de plásticos reciclados. A campeã na reciclagem de plásticos pós-consumo é a região Sudeste com 58%, seguida pelas regiões Sul (24,9%) e Nordeste (14,5%).

É a primeira vez que se compara a reciclagem de plásticos no Brasil (16,5%) com a dos países desenvolvidos e os resultados são surpreendentes. Isso porque o índice brasileiro está muito acima de nações como Grécia (1,95%), Portugal (2,9%), Irlanda (7,8%), Inglaterra (8%), Suécia (8,3%), França (9,2%) e Dinamarca (10,3%) segundo informa a Plastivida, Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos.

Transformar o plástico em outro material é objeto de estudo - fluxograma abaixo explica o processo de reciclagem - e alguns mostram resultados favorável como a aplicação substitutiva para papel e a madeira plástica que é um produto que apresenta propriedades semelhantes às da madeira natural.

A “Madeira” é fabricada com conteúdo de plástico (de preferência reciclado) de pelo menos 50% em massa e possui dimensões típicas dos produtos de madeira natural industrializada. Isso quer dizer que ela pode ser utilizada para fazer tábuas, perfis, ripas e praticamente qualquer forma que se encontre por aí em madeira natural.

No Brasil, em função da crescente consciência da necessidade de reciclagem, o Programa de Coleta Seletiva vem sendo implantado por um número cada vez maior de municípios, visando a "separação prévia de materiais passíveis de reaproveitamento". Atualmente existem, segundo dados do IBGE 2000, aproximadamente 451 municípios com coleta seletiva no Brasil, distribuiídos por região conforme a figura abaixo:


Assista os vídeos educativos abaixo:

video
video


Referências para este artigo:
1. Plastivida website: http://www.plastivida.org.br
2. Leda Couto, Bruno F. Gasparino e Guilherme de C Queiroz;
Reciclagem de Materiais Plásticos: A Importância da Identificação Correta. Artigo cientifico encontrado em: http://www.scielo.br
3. Flávio J. Forlin, José de Assis F. Farias; Considerações sobre Reciclagem de Embalagens Plásticas. Artigo científico encontrado em: http://www.scielo.br
4.CEMPRE website: http://www.cempre.org.br/fichas_tecnicas.php?lnk=ft_microcenarios.php
5.Salles, Ana Cláudia Nioac; artigo "O Lixo Plástico no Lugar da Madeira" o website O ECO: http://www.oeco.com.br/ana-claudia-nioac/52-ana-claudia-nioac/19114-oecod228748

Nenhum comentário:

Postar um comentário